Logomarca - Tax Contabilidade Logomarca - Tax Contabilidade Fale Conosco
Logomarca - Tax Contabilidade

Faça aqui uma busca em nosso Site:

Duplicatas Descontadas

Resumo:

Visando suprir seu capital de giro, é comum as empresas efetuarem o desconto de duplicatas que tenham a receber em instituições financeiras, objetivando, desta forma, angariar recursos financeiros a serem utilizados em suas atividades operacionais e/ou de investimentos.

Estudaremos neste Roteiro de Procedimentos como deverá ser feito os lançamentos contábeis da operação de desconto de duplicatas, tendo em vista o Pronunciamento Técnico CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração, além das regras de contabilização da operação antes do advento desse Pronunciamento.

1) Introdução:

Visando suprir seu capital de giro, é comum as empresas efetuarem o desconto de duplicatas que tenham a receber em instituições financeiras, objetivando, desta forma, angariar recursos financeiros a serem utilizados em suas atividades operacionais e/ou de investimentos.

Basicamente, a operação de desconto de duplicatas ocorre quando um banco ou entidade assemelhada compra a vista esses títulos, "descontando" no ato as despesas bancárias e/ou financeiras, Imposto sobre Operações de Crédito (IOF-Crédito) e os juros a que tem direito pelo período a transcorrer entre a data do desconto e a data do vencimento das duplicatas. Nesta operação, quando o pagamento da duplicata é efetuado, o banco fica com o valor pago pelo devedor (sacado), quitando o valor contratado.

Ocorrendo o não pagamento dos títulos pelo sacado no prazo acordado, fica a empresa que descontou as duplicatas obrigada a reembolsar o banco pelo valor de face dos títulos, acrescido de novos encargos financeiros (juros de mora pelos dias de atraso e taxa pelo retorno do título, por exemplo). Desta forma, ocorre que enquanto as duplicatas não forem quitadas, a empresa tem uma obrigação para com o banco, o chamado "direito de regresso", que conceituaremos em detalhes no decorrer deste trabalho.

Esse direito de regresso que o banco tem contra as empresas que descontam títulos, fizeram, por um longo período de tempo, os profissionais da Contabilidade registrar essa operação (desconto de duplicatas) em conta redutora do grupo Ativo Circulante (AC), ou seja, na conta "Clientes (AC)" ou "Duplicatas a Receber (AC)" ou assemelhados, da seguinte forma:

ContaTipoDescrição
1SintéticaATIVO
1.1SintéticaAtivo Circulante
1.1.03AnalíticaClientes
1.1.04Analítica(-) Duplicatas Descontadas

Desta forma, enquanto as duplicatas não forem quitadas, o banco terá um direito de regresso contra a empresa que descontou os títulos.

Acontece que, essa forma de contabilização já se mostrou ultrapassada, principalmente após a criação do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), que editou o Pronunciamento Técnico CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração mudando substancialmente a forma de contabilizar essa operação. Entende o CPC que, a empresa deve, primeiramente, avaliar até que ponto ela retém os riscos e benefícios da propriedade do ativo financeiro, para só então decidir qual a melhor forma de contabilização da operação.

Assim, os lançamentos contábeis da operação de desconto de duplicatas deverão ser feitos, tendo em vista:

  1. a transferência dos riscos e benefícios da propriedade das duplicatas; ou
  2. a retenção de todos os riscos e benefícios da propriedade das duplicatas.

Feitos esses comentários, estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deverá ser feito os lançamentos contábeis da operação de desconto de duplicatas, tendo em vista o Pronunciamento Técnico CPC 38. Mas, para melhor situar nossos leitores, mostraremos também como era realizada a contabilização da operação antes do advento desse Pronunciamento.

Base Legal: Item 20, "a" e "b" do PT 38; Deliberação CVM nº 604/2009; NBC TG 38 - R3 e; IAS 39 (Checado pela Tax Contabilidade em 26/11/17).
Homologação do Crédito Acumulado do ICMS (e-CredAc)

2) Conceitos:

2.1) Duplicatas descontadas:

O desconto de duplicatas é uma operação financeira de curto prazo (empréstimo), na qual a empresa obtém recursos financeiros perante bancos ou entidades assemelhadas (factoring, por exemplo) a serem utilizados em suas atividades operacionais e/ou de investimentos. Para sua efetivação, é preciso realizar vendas a prazo, obtendo, assim, as duplicatas de venda mercantil.

Registra-se que na operação de desconto de duplicatas a instituição financeira compra a vista esse títulos, "descontando" no ato as despesas bancárias/financeiras, IOF-Crédito e os juros a que tem direito pelo período a transcorrer entre a data do desconto e a data do vencimento dos títulos, e repassa à empresa tomadora os recursos pelo valor líquido (valor nominal dos títulos menos os encargos financeiros).

No vencimento das duplicatas, quando esta for liquidada em dia, a instituição financeira, ou cessionária (1), fica com o valor pago pelo sacado (2). Não ocorrendo o pagamento no prazo acordado, 2 (dois) ou 3 (três) dias após, a instituição debita as duplicatas na conta da empresa que fez o desconto, cobra novos encargos financeiros da empresa cedente (3) dos títulos pela mora da liquidação e, devolve as duplicatas também para o cedente.

Assim, concluímos que, as condições dessa operação definem a responsabilidade da empresa que efetuou o desconto (cedente) pelo pagamento das duplicatas ao banco, caso seu cliente (sacado) falte ao pagamento no vencimento, ocorrendo na prática, um direito de regresso do título do banco (cessionária) à empresa originalmente dona do título. Vê se, portanto, que a duplicata é apenas uma garantia do empréstimo oferecido pelo banco.

Notas Tax Contabilidade:

(1) Cessionária é a instituição financeira que vai adquirir a duplicata.

(2) Sacado é a pessoa que vai pagar a duplicata, ou seja, é a pessoa que vai ter o nome impresso no título (O devedor).

(3) Cedente é a empresa para quem vai se pagar o título, ou seja, a empresa que emitiu a duplicata (O credor).

Base Legal: Equipe Tax Contabilidade.

2.2) Direito de regresso:

Resumidamente, no desconto de duplicatas uma empresa (cedente) transfere um direito que possui contra um cliente (sacado) para uma instituição financeira (cessionário). Ocorre que, na maioria das vezes o cessionário possui, em virtude de negociação entre as partes, o direito em cobrar do cedente os títulos cedidos e não pagos pelo sacado, vinculados a contratos com cláusula pro solvendo, assim, chamamos esse direito de cobrar os títulos não pagos de "Direito de Regresso".

Base Legal: Equipe Tax Contabilidade.

3) Tratamento tributário:

A legislação do Imposto de Renda impõe que os encargos financeiros gerados nas operações de desconto de duplicatas, decorrentes de títulos cujo vencimento ultrapasse a data de encerramento do período-base, devam ser apropriadas pro rata temporis, ou seja, nos períodos de apuração a que competirem, conforme se depreende da leitura do artigo 374, caput, I do RIR/1999:

Art. 374. Os juros pagos ou incorridos pelo contribuinte são dedutíveis, como custo ou despesa operacional, observadas as seguintes normas:

I - os juros pagos antecipadamente, os descontos de títulos de crédito, e o deságio concedido na colocação de debêntures ou títulos de crédito deverão ser apropriados, pro rata temporis, nos períodos de apuração a que competirem;

(...)

Base Legal: Art. 374, caput, I do RIR/1999 (Checado pela Tax Contabilidade em 26/11/17).

4) Tratamento contábil:

4.1) Antes dos Pronunciamentos:

Antes da edição dos Pronunciamos Técnicos CPC 38, 39 e 40, já referenciados neste Roteiro de Procedimentos, a empresa que efetuava desconto de duplicatas demonstrava o total das duplicatas e/ou contas a receber descontadas no Ativo do Balanço Patrimonial (BP) de encerramento do exercício, subtrativamente, no mesmo grupo em que estavam registrados os títulos que foram negociados junto à instituição financeira, de modo a esclarecer que a empresa negociou aqueles direitos, mas poderia ter de readquiri-los, caso o devedor faltasse com o pagamento (direito de regresso).

O entendimento era que essas duplicatas não deveriam, por força da Lei das S/A's (Lei nº 6.404/1976), figurar no Passivo, pois até seu vencimento não existia dívida por parte da empresa. Esta só existia à medida que ocorresse o vencimento dos títulos e o devedor não os pagava.

Para um melhor entendimento, vejamos uma estrutura de Plano de Contas que era utilizado pelas empresas antes dos citados Pronunciamentos:

ContaTipoDescrição
1SintéticaATIVO
1.1SintéticaAtivo Circulante
1.1.03AnalíticaClientes
1.1.04Analítica(-) Duplicatas Descontadas

A conta "Duplicatas Descontadas (AC)" apresentava a seguinte função na operação de desconto de duplicatas:

  1. era creditada, pelo valor de face dos títulos, no momento em que se efetuava a operação de desconto e a instituição financeira fazia o crédito em conta corrente da empresa; e
  2. era debitada no momento da liquidação do título pelo devedor ou quando a instituição financeira levava a débito em conta corrente da empresa por falta de pagamento por parte do devedor.

Os juros cobrados pelo banco, por sua vez, eram lançados no grupo "Ativo Circulante (AC)" do Balanço Patrimonial (BP) da empresa, no grupo "Despesas do Exercício Seguinte Pagas Antecipadamente (AC)", na conta própria de "Juros Antecipados (CR)", sendo apropriadas em contas de resultado à medida que fossem sendo incorridos, em conformidade com o Regime Contábil da Competência. Isso ocorria porque os juros deveriam ser apropriados às despesas pro rata temporis, ou seja, à medida que transcorria o tempo entre o desconto e seu vencimento. Já a despesas bancárias e o IOF-Crédito eram lançadas diretamente para o resultado.

Base Legal: Lei nº 6.404/1976 (Checado pela Tax Contabilidade em 26/11/17).

4.1.1) Exemplo Prático:

A título de exemplificação, imaginemos que a empresa fictícia Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda. tenha em 01/02/2X01, descontado no Banco Econômico S/A. 6 (seis) duplicatas de sua emissão no valor total de R$ 175.000,00 (cento e setenta e cinco mil reais), ambas com vencimento em 30/06/2X01. Consideremos também que, foi descontado da empresa R$ 17.500,00 (dezessete mil e quinhentos rais) referente aos juros da operação, R$ 550,00 (quinhentos e cinquenta reais) de despesas bancárias e R$ 1.000,00 (um mil reais) de IOF-Crédito.

Com base nesses valores, segue exemplo de contabilização da operação de desconto de duplicatas:

Pelo desconto de duplicatas no Banco Econômico:

D - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 155.950,00

D - IOF-Crédito (CR) _ R$ 1.000,00

D - Despesas Bancárias (CR) _ R$ 550,00

D - Juros Antecipados (AC) _ R$ 17.500,00

C - Duplicatas Descontadas (AC) _ R$ 175.000,00


Pela liquidação de 3 duplicatas, conforme Aviso de Recebimento nº _____ do Banco Econômico:

D - Duplicatas Descontadas (AC) _ R$ 52.500,00

C - Duplicatas a Receber (AC) _ R$ 52.500,00


Pelo regresso de uma duplicaras por falta de pagamento:

D - Duplicatas Descontadas (AC) _ R$ 13.000,00

C - Baco. c/ Movto. (AC) _ R$ 13.000,00


Pela apropriação dos juros mensais incorridos (4):

D - Juros Passivo (CR) _ R$ 3.500,00

C - Juros Antecipados (AC) _ R$ 3.500,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Nota Tax Contabilidade:

(4) R$ 17.500,00 / 5 meses = R$ 3.500,00, sendo os 5 meses correspondente ao período de 01/02/20X1 à 30/06/2X01.

Base Legal: Equipe Tax Contabilidade.

4.2) Após os Pronunciamentos:

Com a entrada em vigor da Lei nº 11.638/2007, que alterou substancialmente a Lei nº 6.404/1976, restou modificado o conceito de Ativo Imobilizado (AI), onde prevalece, agora, a figura da transferência do controle, dos riscos e dos benefícios, e não mais da titularidade jurídica:

Art. 179. As contas serão classificadas do seguinte modo:

(...)

IV – no ativo imobilizado: os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens;

(...) (Grifo nossos)

Seguindo esse novo preceito legal, foi editado o Pronunciamento Técnico CPC 38 estabelecendo que, quando uma entidade transferir um ativo financeiro, deverá avaliar até que ponto ela retém os riscos e benefícios da propriedade do ativo financeiro. Nesse caso, se a entidade:

  1. transferir substancialmente todos os riscos e benefícios da propriedade do ativo financeiro, a entidade deve "desreconhecer" o ativo financeiro e reconhecer separadamente como ativos ou passivos quaisquer direitos e obrigações criados ou retidos com a transferência; ou
  2. retiver substancialmente todos os riscos e benefícios da propriedade do ativo financeiro, a entidade deve continuar a reconhecer o ativo financeiro.

Portanto, nessa nova ótica, quando a empresa transfere a terceiros um ativo financeiro, desconto de duplicatas por exemplo, esta somente poderá baixá-lo de sua contabilidade quando (e se) transferir substancialmente todos os riscos e benefícios da propriedade do ativo financeiro. Caso contrário, a entidade deve manter os instrumentos financeiros no Ativo e tratar o valor recebido como empréstimo.

O que se busca agora é a essência da operação. Desta forma, as parcelas recebidas nas operações de desconto de duplicatas, quando não houver a transferência dos riscos e benefícios da propriedade, devem ser registradas no Passivo, sob a rubrica "Empréstimos a Pagar-Desconto de Duplicatas (PC)". Já a duplicata ficará no Ativo até que ela seja baixada por recebimento ou perda no recebimento de créditos.

Base Legal: Art. 179, caput, IV da Lei nº 6.404/1976 (UC 27/07/16) e; Itens 18 e 20, "a" e "b" do PT CPC 38 (Checado pela Tax Contabilidade em 26/11/17).
Crédito Acumulado ICMS (e-CredAc)

4.2.1) Exemplo Prático (Quando NÃO há a transferência dos riscos e benefícios):

A título de exemplificação, imaginemos agora que a empresa Vivax tenha, em 01/05/2X01, descontado no Banco Econômico S/A. uma duplicata de sua emissão no valor total de R$ 255.000,00 (duzentos e cinquenta e cinco mil reais) e vencimento para 30/09/2X01, cujos riscos do não adimplemento do sacado, seu cliente, continuem sendo de sua propriedade. Consideremos também que, foi descontado da empresa R$ 25.500,00 (vinte e cinco mil e quinhentos reais) referente aos juros da operação, R$ 1.000,00 (um mil reais) de despesas bancárias e R$ 1.600,00 (um mil e seiscentos reais) de IOF-Crédito (todos os valores meramente exemplificativos).

Com base nesses valores, teremos o seguinte lançamento contábil relativamente ao desconto da duplicata:

Pelo desconto da duplicata nº 500.201 no Banco Econômico S/A.:

D - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 255.000,00

C - Empréstimos a Pagar - Desconto de Duplicatas (PC) _ R$ 255.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

No que se refere aos encargos cobrados pelo banco nada mudou com a publicação do Pronunciamento Técnicos CPC 38, portanto, os juros cobrados pelo banco serão lançados no "Ativo Circulante (AC)" em conta sob a rubrica "Juros Antecipados (CR)", sendo apropriadas em contas de resultado à medida que forem sendo incorridos e, as despesas bancárias e o IOF-Crédito serão lançadas diretamente para o resultado.

Dando continuidade em nosso exemplo, demonstramos agora os lançamentos contábeis referentes aos encargos financeiros cobrados pelo banco:

Pelo juros cobrados pelo banco:

D - Juros Antecipados (AC) _ R$ 25.500,00

C - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 25.500,00


Pelo IOF-Crédito cobrado pelo banco:

D - IOF-Crédito (CR) _ R$ 1.600,00

C - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 1.600,00


Pelas despesas bancárias cobradas pelo banco:

D - Despesas Bancárias (CR) _ R$ 1.000,00

C - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 1.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante;

PC: Passivo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Prestigiando o regime de competência, a Vivax deverá apropriar os juros incorridos no período de apuração correspondente. Desta forma, recomendamos que essa apropriação seja mensal, tendo em vista que muitas empresas geram Balanços e Balancetes para fins gerenciais, além de tal procedimento ser imprescindível para empresas que apuram o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) com base no Lucro Real. Assim, demonstramos agora o lançamento contábil relativo à apropriação dos juros mensais:

Pelo juros cobrados pelo banco: (5)

D - Juros Passivos (CR) _ R$ 5.100,00

C - Juros Antecipados (AC) _ R$ 5.100,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Quando da liquidação da duplicata pelo sacado (cliente da Vivax) e do aviso de recebimento emitido pelo banco a empresa deverá proceder à baixa da duplicata de sua escrita contábil. Considerando nosso exemplo, teremos o seguinte lançamento:

Pela baixa das duplicatas quitadas:

D - Empréstimos a Pagar - Desconto de Duplicatas (PC) _ R$ 255.000,00

C - Clientes (AC) _ R$ 255.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Nota Tax Contabilidade:

(5) R$ 25.500,00 / 5 meses = R$ 5.100,00, sendo os 5 (cinco) meses correspondente ao período de 01/05/20X1 à 30/09/2X01.

Base Legal: Equipe Tax Contabilidade.

4.2.1.1) Duplicatas não quitadas pelo Sacado:

Ocorrendo de o sacado não liquidar no prazo a duplicata transferida, o banco procederá à devolução do título a empresa que os cedeu, em nosso exemplo a Vivax. Na prática, o contrato de desconto já prevê que o valor não recebido seja debitado da conta corrente do cedente.

Supondo que a duplicata emitida pela Vivax no valor de R$ 255.000,00 (duzentos e cinquenta e cinco mil reais) não tenha sido pago no prazo estabelecido, teríamos o seguinte lançamento contábil:

Pela baixa da duplicata nº 500.201 não quitada:

D - Empréstimos a Pagar - Desconto de Duplicatas (PC) _ R$ 255.000,00

C - Bco. c/ Mvto. (AC) _ R$ 255.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Base Legal: Equipe Tax Contabilidade.

4.2.2) Exemplo Prático (Quando há a transferência dos riscos e benefícios):

Como já dissemos, a empresa (cedente) pode descontar duplicatas com transferência de todos os riscos e benefícios para a instituição financeira (cessionário). Nesta situação não existe a figura do empréstimo, pois o cedente vende o título sem que haja a possibilidade do direito de regresso do mesmo, até por isso, diga se de passagem, os juros praticados pela instituição financeira acabam sendo mais elevadas (por conta do risco de inadimplemento do sacado).

Admitamos que a empresa Vivax tenha em 01/04/2X01, descontado no Banco Econômico S/A. uma duplicata de sua emissão no valor total de R$ 100.000,00 (cem mil reais) e vencimento para 30/05/2X01, cujos riscos do não adimplemento do sacado, seu cliente, sejam transferidos para o banco. Consideremos também que, foi descontado da empresa R$ 20.000,00 (vinte mil reais) referente aos juros da operação, R$ 400,00 (quatrocentos reais) de despesas bancárias e R$ 700,00 (setecentos reais) de IOF-Crédito.

Considerando esses valores, teremos os seguintes lançamentos contábeis:

Pela venda da duplicata nº 502.587 ao Banco Econômico S/A.:

D - Bco. c/ Mvto. (AC) _ R$ 100.000,00

C - Clientes (AC) _ R$ 100.000,00


Pelo reconhecimento dos encargos financeiros:

D - IOF-Crédito (CR) _ R$ 700,00

D - Despesas Bancárias (CR) _ R$ 400,00

D - Despesas Financeiras (CR) _ R$ 20.000,00

C - Bco. c/ Mvto. (AC) _ R$ 21.100,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Base Legal: Equipe Tax Contabilidade.
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia 01/09/2011 pela Equipe Técnica da Tax Contabilidade e está atualizado até a legislação vigente em 03/12/2017 (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações legais.

Não é permitido a utilização dos materiais publicados pela Tax Contabilidade para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Tax Contabilidade para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Tax Contabilidade.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida desde que indicada a fonte:

Para ler nossas publicações e artigos no formato PDF é necessário ter instalado o Adobe Reader. Baixe agora mesmo clicando no link Get Adobe Reader:

Get Adobe Reader

Gerar PDF